Mudamos o mundo todos os dias. A qualquer hora. Sem censura. Amarga ou doce. Com ou sem o primeiro gomo de tangerina.

Saturday, September 02, 2006

1988-2006


Tinha dez anos quando li o primeiro «O Independente». Tinha decidido ser jornalista e olhei para o Indy como o estilo de jornalismo que gostaria de fazer. O jornal era em tudo novo.

Muito diferente do já cansativo Expresso. Original em tudo o que fazia, até no grafismo. As frases curtas, a pontuação original, o lead que não ficava colado à pirâmide invertida, os títulos... Aquilo era o que eu queria do jornalismo quando fosse grande.

Tudo era «do avesso». Como eram as crónicas, avessas, de VPV, os antes pelo contrário de PP e o Caderno 3, ou Vida 3. Lembro-me dos textos de Paulo Nogueira com infografias malucas e desenhos que pareciam saídos do computador, de não perceber metade e pedir ajuda nas referências complicadas para a minha tenra idade. Aos 13, era a minha companhia às sextas-feiras no percurso de autocarro do conservatório para casa. Ao lado do Se7e em formato revista broad-sheet.

Lembro-me de o meu pai ler alto alguns textos do MEC, hilariantes. Alguns reli nos livros de crónicas, outro guardo em pedaços de papel do caderno 3.

Às sextas, lia o jornal de fio a pavio. Cavaco e os seus ministros tinha ataques de ansiedade às quintas... Seria tão bom que um jornal fizesse o mesmo com Sócrates e os mudos dos seus ajudantes...

Voltando ao tema: quando a primeira do Indy surgiu manchada de sangue no caso dos hemofílicos, antes ou depois do caso Cadilhe e Duarte Lima (não me recordo), o meu pai proibiu-me de comprar o jornal. Ora proibir é coisa que não se faz a um adolescente, que gastava a semanada no dito, e o levava às escondidas para casa. Às escondidas, também, lia o meu pai o semanário, que eu tinha comprado, até ter refeito - mais ou menos - as pazes com o Indy. Mais por falta de opção, o jornal sobreviveu quase 19 anos lá por casa. Passou a existir na minha também.

Já por hábito, por tradição, por imagem de uma geração irreverente que sobrevivia apenas na memória, comprei-o durante quase 2 décadas. Muitas vezes nem li na diagonal. Depois de Portas sair - depois do cavaquismo acabar - o Indy perdeu o rumo. Nasceu contra Cavaco e era difícil continuar a crescer sem encontrar outro ódio mortal para poder evoluir em oposição a algo. Sem o alvo, perdeu o tiro certeiro.

O jornal formou gerações, inventou um género novo, foi uma lufada de ar fresco, mas nunca montou alicerces para pensar no futuro. Por pouco não destronou o Expresso, mas perdeu demasiados processos, enganou-se muitas vezes, e findo as maiorias absolutas do agora PR, perdeu o fôlego. Foi lento e gradual a morte anunciada.

A geração nova, daquela direita que não é CDS nem PP, viu tristemente a fuga do Portas-político. Do mesmo que tinha dito que nunca chegaria ao poder, porque era sempre do contra.

Do contra era o Indy, próprio da juventude, com manchetes sobre o Taveira (com uma menina ao lado de um cavalo e as teorias sobre a Bobbit. E os cromos: «aborto ortográfico» ou «Eu matei Laura Palmer» enchiam os cadernos da escola.

Muitos anos mais tarde, também fiz uns textos para o Independente. Senti-me feliz por isso, mas não soube ao mesmo: claro que antes seria exploração de trabalho infantil, mas ainda guardo um texto que não tive coragem de enviar... Tinha 15 anos e achei que ninguém me iria levar a sério. E não iam...

Guardei o primeiro número. Mas não vou guardar o último. Porque este não foi o último. O fim chegou há muito. E é pena: estes são tempos fundamentais para um novo Indy surgir.

6 Comments:

Blogger Ricardo Barbosa said...

O Independente serviu para destruir muitas coisas. E não construiu nenhuma que perdurasse.

3:17 AM

 
Blogger Rita said...

Pois é verdade que o Indy já há muito tinha chegado ao fim. Li por aí algures que o que nasceu com o objectivo de lançar politicamente um homem (no início era Manuel Monteiro, depois percebeu-se que era o próprio Portas) só poderia acabar quando esse objectivo fosse alcançado.

Mas no meio disso tudo, por entre as ambições políticas de Portas criou-se um produto bom e diferente, que errou como muitos outros ainda hoje erram, que deixou a sua marca. Nos leitores e nos muitos jornalistas que por ali passaram.
Eu trabalhei com uma delas, a Helena Sanches Osório. Era uma grande pica, aprendi muito com ela, mas também aprendi o que era fazer jornalismo sempre contra ou a favor de alguém.
Foi assim que nasceu e que morreu o Indy. Como tu bem dizes, quando matou Cavaco, morreu também.

5:51 PM

 
Anonymous judite said...

Rita, a dúvida é porque não ressuscitar com Sócrates? Em tudo tão parecido com Cavaco... Os ministros são calados, a pose é austera e o plano traçado a régua e esquadro. Está a secar o PS como Cavaco secou o PSD. Usa o mesmo número de roupa como quando tinha 20 anos, tal como Cavaco. O estilo Independente era mais apropriado que nunca... Sobretudo porque eu tenho saudades.

4:51 PM

 
Blogger tacci said...

Pois. Mas é preciso inventar outro Miguel Esteves Cardoso, outra vez com trinta anos, acabadinho de chegar de uma qualquer Oxford. Para mim o Indy acabou qundo o Miguel deixou de ser o seu director (passou para a Kapa, não foi?) O que era ironia, sorriso, subtileza, passou ao escárnio e mal dizer. Sic transit(ou) gloria Indy.
Se a Judite fundar um novo semanário no espírito do primeiro Independente, prometo que compro.

1:05 AM

 
Blogger Judite said...

Tacci,

Se um dia tiver essa sorte - e o investimento... - prometo que lhe envio um exemplar gratuito e fico à espera da crítica.

5:04 PM

 
Blogger Miss jane said...

成人論壇,080聊天室,080苗栗人,免費a片,視訊美女,視訊做愛,免費視訊,伊莉討論區,sogo論壇,台灣論壇,plus論壇,維克斯論壇,情色論壇,性感影片,正妹,走光,色遊戲,情色自拍,kk俱樂部,好玩遊戲,免費遊戲,貼圖區,好玩遊戲區,中部人聊天室,情色視訊聊天室,聊天室ut,成人電影,成人遊戲,成人文學,免費成人影片,成人光碟,情色遊戲,情色a片,情色網,性愛自拍,美女寫真,亂倫,戀愛ING,免費視訊聊天,視訊聊天,成人短片,美女交友,美女遊戲,18禁,三級片,自拍,後宮電影院,85cc,免費影片,線上遊戲,色情遊戲,日本a片,美女,成人圖片區,avdvd,色情遊戲,情色貼圖,女優,偷拍,正妹牆

9:17 PM

 

Post a Comment

<< Home